sexta-feira, 30 de maio de 2008

TÂNIA PAGANO

MAR DA NOITE

A fenda crescente
da lua minguante
ancora uma estrela.

Ao largo da noite
um errante cometa
singra o quadrante.

No céu de água negra,
preciso sextante,
a mente navega.
O pio da coruja
é farol de tormento!
Um amor flutuante.