domingo, 18 de outubro de 2009

Aproveitando o belo texto do amigo Sérgio Bernardo...

já que ando daquele jeito...rs ....(obrigada, Serginho!)


Duerme, negrita...*


O que a latinidade e a arte em prol da igualdade social jamais pensaram que pudesse acontecer, de repente aconteceu: La Negra calou sua voz. “Si se calla el cantor, calla la vida” (“se o cantor se cala, cala-se a vida”), diz um dos versos da poesia musicada que ela nasceu pra espalhar. E a gente naquele 4 de outubro viu que é verdade, ainda que o canto de Mercedes Sosa hoje continue em LPs, cassetes (muitos remanescentes do tempo em que eram gravados de maneira clandestina, nos anos duros da ditadura), CDs ou através da internet. O mundo, já tão pobre de bons cantores e música de qualidade, perde mais um de seus grandes valores. “Duerme, negrita”... que o teu eco está em campo. [S.B.]
* Alusão a Duerme, negrito, grande sucesso de Mercedes Sosa

Este e outros textos, dicas, agenda cultural e vai por aí você encontra no blog http://veiculoexpresso2222.zip.net    Pode acessar, é indolor.

E hoje tem almoço-sarau da antologia Nós na Poesia, organização de Brenda Marques, lá no Cozinha de  Minas, gente! vamos lá....

E amanhã, nós - ME - no Conservatório Mineiro de Música, 19 ás 22hs, entrada pela r. Guajajaras , 100!