quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Em um espaço de espera

... do horário de vários compromissos  fora de casa, venho matar saudades
e deixar um abraço e uma bjoca a todos!
Mas espero comentários de todos, vocês não escrevem mais!!!! faz falta!!!!

E um continho antigo:


Acidente
 

Ele batalhara por ela por mais de um mês e, finalmente, estavam ali.
Fascinara-o. Casada há muito, mas não tinha experiência de motéis e transas extras; daí, medos e indecisões até a coragem de sair com ele. ( O marido em curta viagem. ).
Ao transpor aqueles portões, sentiu feras soltas dentro de si. E vampira e tigresa, já o agarrava mesmo enquanto subiam as escadas.
Cama redonda, mil espelhos, cheiro gostoso, tudo à mão. Penumbra e música romântica.
Entre o uísque e o beijo, arrancou-lhe as roupas, propondo-lhe loucuras que a faziam tremer. O clima de sensualidade era tão denso que poderia ser cortado em fatias.
Caíram na cama, rolaram em mil posições; ele extasiado e surpreso com a reação dela.
Satisfaziam-se com todos os toques e ditos, espirituosos e sensuais.
Ele penetrou-a tantas vezes, em vários ângulos; ela arranhava-o com as unhas vermelhas.
Fizeram pequenas pausas apenas para prolongar o prazer. E quando este explodia, eram maremotos intensos. Morriam agoniados para logo ressuscitarem, insaciáveis.
Ela nunca pensou existir um homem tão macho - no bom sentido !
E a noite voou, foi curta para eles. Mas, precisavam ir, ele tinha que trabalhar.
Ao sair da ducha, ela caiu na risada, ao ver que ele vestira sua minúscula calcinha rosa shocking transparente, por baixo da sunga.
Entre beijos melados e olhares sedutores, pediu-lhe para deixá-lo ir assim. Ela ficaria de vento a favor, o que era ainda mais excitante, e ele, com o perfume dela em seu sexo, para lembrarem-se um do outro até o próximo encontro. E deixaram o apartamento sérios e bem comportados. Estavam no carro dela ( tivera medo de largá-lo em qualquer lugar.). Deixou-o perto do trabalho. Beijaram-se com tesão e ele se foi.
Assistindo ao telejornal meio distraída e aguardando seu telefonema, quase morreu ao ver notícia : conhecido jornalista, fora brutalmente atropelado naquela manhã, quase em frente à sede de seu jornal.
 No CTI - surpresa de médicos e enfermeiras ! - a descoberta da peça íntima feminina que trajava, foi considerada atestado inegável de identidade homossexual.
E o escândalo abalou toda a sociedade. Ninguém entendia - a família inconsolável.
E todos que sempre o invejaram, diziam maldosamente agora que, todas as belas mulheres com quem era visto, foram apenas cobertura para o fato.
Ela, embora arrasada, pela sua condição de casada, nada pôde fazer por ele.
De D.Juan que fora, foi enterrado como gay.
tânia diniz

2 comentários:

Luiza Nunes disse...

Gostei da ironia do texto e das imagens rápidas e vibrantes. :)

Tânia disse...

valeu, minha linda! Obrigada.Deixe seu contato.
Bjoca, tânia