sábado, 1 de agosto de 2015

A Saga ME - Mulheres Emergentes - Parte I. A



Leitores, poetas, escritores, jornalistas, amigos, pesquisadores... 
Em fins dos anos 80 ainda se fazia ouvir fortemente a voz feminina em reivindicações de seus direitos, inclusive ao prazer.

Mal iniciada no caminho das letras, julgava-me atrevida nos textos e tinha timidez em mostrá-los. Mas, visitando uma exposição de poesia, para minha surpresa, calhou de ter ali apenas poemas de mulheres. Muito sensuais, me deixavam no chinelo.

No mesmo instante a ideia, que já fervia em minha mente, tomou forma: faria uma publicação que seria um espaço feminino , enfatizando a sensualidade e seu nome diria dessa emersão da opressão masculina, de colocar seus desejos.   
Nasceu o Mulheres Emergentes, nome baseado no livro de uma psicóloga americana, A mulher emergente. Causando polêmica, críticas e elogios,  logo se abriu aos homens que amavam as mulheres, e até hoje mantém esse espaço para eles.

No primeiro ano, contei com a colaboração da poeta e amiga Lívia Tucci, dali segui sozinha, e desde há alguns anos, divido a editoria com minha amada filha Ana Carol.

Um trabalho de pura paixão que se mistura à minha vida e comigo sobrevive aos obstáculos de qualquer espécie e segue levando a Poesia a todos os recantos possíveis.

Por tudo isso, celebro seus 25 anos com a publicação de sua Saga em 25 partes. Essa primeira, dividida   em dois posts. Esse é o primeiro, o segundo chegando já.
Comentários de amigos fiéis, momentos marcantes, lindas imagens, maravilhosos poemas! Ao longo da história do Mulheres Emergentes, o sensual em cartaz.


                           Um brinde!!!!

                                                                    Tânia Diniz


Parte I.A - Primeiros comentários 




              Tania Diniz, rota dos cantos na poesia
 
Ao criar Mulheres Emergentes, o sensual em cartaz (no. zero, novembro,1989), Tania Diniz nos ofereceria um espaço inovador de publicação para poetas mulheres, quando nada havia para elas. Mulheres nem deviam ser poetas, seriam castas e quietas em seus corpos e suas almas, e ficariam nos lares. Apesar da transformação social no terceiro milênio ainda sofremos do preconceito com a mulher, não só no oriente, aqui no ocidente ele é selvagem, sim, é real. Em 1989 havia um silêncio acerca do talento de mulheres, principalmente no tocante a poetas iniciantes, ou em reconhecê-las.  Ao longo de seus 25 anos de vida ME abertamente feminino, nada tem de feminista. Também publicaria os poetas, como veremos adiante. Voltando aos primórdios, se a poesia toda ela é sensual, possuindo a materialidade que afeta nossos sentidos e nossas alma, estampar a sensualidade como proposta e enquanto convite, como fez Tania foi provocação. Em seu lugar eu tremeria nas bases. Tania nunca se apagou, e se mistura vitalmente a sua obra vital. É livre para não obedecer à gramática vigente, caso contrário, não seria poeta. Obedece sim ao que Haroldo de Campos chamava de excelência da forma, a lei rigorosa da poética. A excelência da forma é a ética em ação, o compromisso com a arte, com a ética, com a poesia, com o outro, com a vida. ME, criatura de Tania Diniz, aglutinou poetas, e exigiu devoção.
Muitas e muitos seriam suas e seus poetas publicados.

ME em seu percurso de criatura de Tania Diniz, sempre mostrou os movimentos, as buscas e os produtos que sua criadora passou a colocar no mundo, para os leitores.
Tania correu atrás das condições para a existência de sua criatura, buscando patrocínios, chamando a atenção dos autores-poetas e leitores, e encontrando representes do mural em lugares estratégicos, como São Paulo.  Sua ambição sempre
foi ganhar o Brasil, conquistar o mundo. Levou Mulheres Emergentes a espaços públicos como ruas, praças universidades, e onde mais fosse possível. 
O sensual em cartaz faria Tania viajar em caravanas nômades, levando o jornal poético e plástico a exposições, a palestras em universidades e espaços públicos como: Aracaju- SE, ao Encontro de Escritores em Bento Gonçalves, RS; a Juiz de Fora- MG; a Universidade Federal do Acre, em Rio Branco; ao Colóquio Mulheres, FALE-UFMG; a Amigas da Cultura, em BH;  a Centros Culturais da Prefeitura de BH; ao Festival de
Inverno da UFMG em Diamantina; à Academia de Letras de Mariana; em Passa Quatro -MG, ao Psiu Poético, em Montes Claros; ao Belô Poético, BH, durante dez anos; à Lagoa do Nado, BH; à Feira Nacional de Artesanato - Expominas, BH; e à Bienal Internacional de Poesia (1989) em Brusque - SC. Todos, eventos literários de peso.
Um dos acontecimentos mais marcantes foi a I Mostra Mineira de Haicai Mulheres Emergentes, apresentada na Galeria  e pilastras da Rodoviária, em BH. Seguiram-se a sequência dos sete concursos, cujo prêmio seria publicar os poetas premiados, e o I Concurso culminou no livro Prêmio. Os concursos abriram contatos com a Itália, Bélgica, Espanha, Peru e Argentina, entre outros países.
Publicado em papel, ME é matéria feita para o olho, para as mãos, para os ouvidos e todos os sentidos. Ainda é publicado em papel, mas também no meio virtual, do qual que precisamos na época atual. Nasce para publicar tanto as poetas iniciantes
quanto as consagradas como Teruko Oda, Vera Casa Nova, Djanira Pio, Olga Savary, Silvia Anspach, Cyana Leahy, Helena Armond, entre outras. O sensual em cartaz dá a largada com publicações trimestrais. Ocasionalmente, nos é oferecido o que Tania chamou Especial, ou seja, o mural extraordinário homenageando a, ou o , poeta escolhida/o para tal fim, como Maria de Lourdes Hortas e Carlos Nejar. Cada mural organiza-se em uma cor, com poemas e ilustrações. A partir do número 1, publicou os poetas Paschoal Motta, Marcio Almeida, Wilson Bueno, o saudoso Uílcon Pereira, entre outros. O povo nômade do deserto viaja e caminha, mas quando acampa é em torno da água. O mural poético monta acampamentos no coração no corpo e na alma da própria poesia indefinível e poderosa quanto o ar que respiramos, ou como no. zero, a água que bebemos.
Quando conheci Tania Diniz em julho de 1989, ela acabara de publicar O mágico de nós, livro premiado. Em novembro do mesmo ano lançaria ME. Após alguns anos nasce a Editora Mulheres Emergentes Edições Alternativas.  A poesia saiu da gaveta, e muitas poetas lançaram sua obra através do ME; ou por meio dos livros organizados pela Mulheres Emergentes Edições Alternativas. Atuante a editora continua organizando e publicando antologias; edições como a Coleção Almanach de
Minas; e/ou livros de projetos individuais. Como apontado, os poetas também comparecem.  
Formada em línguas, professora e tradutora de espanhol, Tania Diniz participa com sua poesia e contos minimalistas em antologias no Brasil e no exterior. Seus contos inigualáveis têm o humor cítrico único, que é o da autora. Apaixonada por
haicai lança livros de haicai, este verdadeiro idioma ideogramático.  Cria a I Mostra Mineira de Haicai Mulheres Emergentes. No território-haicai, em todas as obras
publicadas por Tania Diniz, Teruko Oda é a exponente destacada, e musa emblemática.
Territórios são criados e desmanchados, pois, as circunstâncias existentes em nós e no entorno não permanecem, há mudanças planejadas, e, na maior parte das vezes, não planejadas. Seres do espaço-tempo fugazes e frágeis, vivemos semgarantias e em estado de risco. Para Tania nada é fácil. Lutou com a doença, com os cupins, mofo, com a perda de arquivos. Viveu incontáveis caravanas de mortes e de ressurreição.
Tania Diniz e a Eliane Accioly Fonseca, a autora deste texto são parceiras desde que na cidade de São Paulo,  lhe entreguei em mãos meu primeiro livro publicado,
Histórias de Ventania. Fui capturada pelo espírito dos projetos apaixonantes de Tania.
Permaneço uma das representantes do mural poético aqui em São Paulo, onde vivo.

Tenho um livro publicado pela Editora Mulheres Emergentes na Coleção Almanach de Minas, e outro na Coleção Millenium; a primeira por ocasião do centenário  de Belo Horizonte (1997), e a segunda saudando a entrada do terceiro milênio. Fui
poeta eleita para um caderno Especial, na década de 90; e estou publicada em incontáveis ME, o sensual em cartaz. 
Uma boa notícia ás poetas, aos poetas, aos leitores e ao público sempre querido: logo teremos nova edição de ME no papel e no espaço virtual, para nosso benefício e fruição. Viva! Alegria, gratidão, cumplicidade e aplausos.
          
                                            Eliane Accioly Fonseca - SP/SP 
                                                                                              poeta, psicanalista, escritora, artista plástica


E foi numa tarde, linda, amena, quase no final dos anos 80, que conheci a bela, inquieta e contagiante Tânia Diniz. Foi paixão poética à primeira vista! No primeiro abraço, nos tornamos irmãs, amigas, confidentes, operárias e parceiras no belíssimo e instigante projeto Mulheres Emergentes. Acreditamos em nossas inquietudes, em nossos sonhos, na palavra emergente, líquida, feminina e erótica e nossa parceria durou por 5 números. Segui outros caminhos, amadureci, a poesia fez em mim sua morada, a música envolveu-me com seus tentáculos sonoros e nunca mais fui a mesma! Só uma coisa nunca mudou nessas emergências: minha paixão e admiração por essa amiga-irmã, mulher de aço e fibra, entre bonanças e tempestades, uma combatente incansável, onde, para ela, só o infinito é o limite! Seu entusiasmo e fé, são minhas molas propulsoras! E, eu, como eterna emergente, continuo sendo mar e afluente, profana e bendita, e em eterna poesia, eis-me aqui, hermafrodita! 

Lívia Tucci  bh-mg
poeta, cantora, prof. de inglês

Parte I. B - próximo post: a relíquia, ME número zero.

4 comentários:

clevane pessoa disse...

CONGRATULAÇÕES AO TRIO: A HOMENAGEADA TANIA DINIZ E,FUNDIDA Á A SAGA DE SEU ME E AS POETAMIGAS DA MESMA, ELIANE ACCIOLY E LÍVIA TUCCI.CERTAMENT MUITOS OUTROS TEXTOS VIRÃO, MAS ESSAS DUAS,TALENTOSAS E QUERIDAS, TÊM O PRIVILÉGIO
DE ABRIS A CORTINA DESTE PALCO PREPARADO PARA AS HOMENAGENS .VIDA LONGA E MUITAS ALEGRIA A TODAS.E AO "SENSUAL EM CARTAZ", O PROJETO SEMRPREVIVO MULHERES EMERGENTES.
CLEVANE PESSOA-BH-MG-BRASIL.

clevane pessoa disse...

Blogger clevane pessoa disse...
CONGRATULAÇÕES AO TRIO: A HOMENAGEADA TANIA DINIZ E,FUNDIDA Á A SAGA DE SEU ME E AS POETAMIGAS DA MESMA, ELIANE ACCIOLY E LÍVIA TUCCI.CERTAMENT MUITOS OUTROS TEXTOS VIRÃO, MAS ESSAS DUAS,TALENTOSAS E QUERIDAS, TÊM O PRIVILÉGIO
DE ABRIS A CORTINA DESTE PALCO PREPARADO PARA AS HOMENAGENS .VIDA LONGA E MUITAS ALEGRIA A TODAS.E AO "SENSUAL EM CARTAZ", O PROJETO SEMRPREVIVO MULHERES EMERGENTES.
CLEVANE PESSOA-BH-MG-BRASIL.

Tânia disse...

É UMA DELÍCIA RECEBER OS COMENTÁRIOS!!!
OBRIGADA, QUERIDA CLEVANE. bJO, tania

Silvia Anspach disse...

Tânia amiga,guerreira, sensível irmã de poesia e de alma. Que beleza de trabalho.

E que textos maravilhosos iniciando esta saga. Emocionada, após tê-los lido.

Eliane, linda e querida, obrigada por incluir-me no teu relato e por me ver, generosamente, como uma "escritora consagrada".

Belo depoimento também o seu, Livia.

Muito bom te ver aqui, Clevane.
bjs a todas