sábado, 29 de agosto de 2015

A Saga  ME   -   Mulheres  Emergentes   -     Parte  4. 1  

Ano 7         No. 25   Mar.Abr. Mai 1996             Tiragem 1.000 exemplares  




O tabloide de poesia Mulheres Emergentes , inventado e dirigido   pela poetisa mineira
 TANIA DINIZ, completa 25 anos . Um trabalho significativo, registrando a ciranda de tantas vozes femininas por toda a imensa geografia do  nosso país e de outros. Uma publicação que vem reunindo boa poesia, e que documenta a palavra  e o sentimento das mulheres  ao longo de um  quarto de século.  Vida longa ao ME e á sua criadora, Tania Diniz, poetisa de voz única e bela.
           Abraços da

Maria de Lourdes Hortas
escritora luso-brasileira,  poetisa, diretora cultural do Gabinete Português de Leitura de Pernambuco, onde também  coordena a revista Encontro.     -    Recife- PE



 Mulheres Emergentes, nasceu da vontade, atitude & luta da mulher, poeta & ativista cultural Tânia Diniz, ainda no entardecer do século XX.
Conseguiu reunir olhares diversos, tanto de poetas, como da poesia produzida no Brasil & em outras partes do planeta.
 Agora, seguindo sua Saga de congregar  os inventores da linguagem , CELEBRA 25 anos como o Mural + democrático da poesia planetária .
Parabéns & poesia na veia !

Beijos Azuis

Aroldo Pereira  
poeta, ativista cultural, criador do Psiu Poético, há 30 anos, em Montes Claros -MG


Editorial - Tânia Diniz - BH- MG
Poema/ ilustração - Sebastião Nunes - Sabará - MG


Feminina -  Thaís Guimarães - BH- MG
Veracidade - Eliane Fonseca - SP -SP
A reta que teu corpo aponta... Rosa Amanda Strausz
Achados & perdidos - Wilson Bueno - Curitiba - PR
Águas... - Sebastião Nunes - Sabará - MG
Amo esse reino dos sonhos... - Alice Ruiz - Curitiba - PR
Vestígio -  Silvia Oliveira - Piracicaba - SP
Ausência - Maria Santos Costa - Brasília - DF
Seios cujas pontas são frutos... - Paul Verlaine (1844-1896) França
Armadilhas - Maria Esther Maciel - BH - MG
Pingos nos ii - conto - Tânia Diniz - BH - MG
Diferença erógena - Newton de Lucca - SP SP
Guardei-me para ti como um segredo... - Lya Luft - Porto Alegre - RS
Equivalência - Cheila Stumpf  - Sta Cruz do Sul - RS 
Eu queria morder-te pouco a pouco... - Santiago Presado 
Cangaço - Maria Lúcia Mendes - Itaúna - MG 
Amado - Solange Rebuzzi - Rio de Janeiro - RJ 
Quero ser flor... - Magda Lugon - Vitória - ES 
Sobre meu corpo /não quero... - Sérgio Fantini - BH - MG 



Editorial

 Feminina  bem amada   desamada   lutadora   sonhadora   noiva  mãe  esposa   amante  filha   irmã   negra   vermelha  amarela  ou  branca, da lavadeira à médica, da guerrilheira à poeta, comparecendo sempre ao chamado da Vida, nós mulheres vivemos mais um Dia 8 de Março!
  à nous...   tim-tim!

                                                                a editora


  A Saga  ME  -  Mulheres Emergentes  -   Parte  4.0

Ano  7     No.   24    Dez.Jan.Fev.  1996             Tiragem 1.000 exemplares 




                 Mulheres Emergentes tem a mulher em seu estado de natureza. 
                          Portanto, Mulheres Emergentes tem a não origem de Luzia e 
                                    suas águas através de uma mulher,  outra mulher, 
                                              as mulheres, outras mulheres. 
                                         Portanto, talvez o homem em sua cratera.    
                               E também a criança que habita o coração que pensa 
                                                           e a cabeça que sente.            
               Mulheres Emergentes é Abaporu e sua estranhez porque 
                   escavar a mãe é o  mesmo que escavar o animal olhar que está vivo
                                                             e escreve ao sol.
                                     Mulheres Emergentes é a gênese do eco. 
                       Mulheres Emergentes é a origem do mundo, 
                                                       o amor de perdição. 
                      Mas Mulheres Emergentes é o Brasil e suas 
                                                  Minas Gerais no cosmos: 
                  o diabo na rua, no meio do redemoinho... O medo sendo iluminações. 
                          Et cetera. Mulheres Emergentes é ela, Tânia Diniz. E os nós.



                                         Wilmar Silva de Andrade,  BH- MG

                  autor de "Säröjä purppuranpunaisessa järvessä" (Aviador Kustannus, 2015, Finlândia)
 



No final da década de 90 tive o primeiro contato com o jornal
  mulheres emergentes e fiquei encantada – não conhecia no brasil 
   nada parecido, uma publicação que abrisse tanto espaço para a escrita feminina.   
Sua mentora e realizadora é a ótima poeta tânia diniz, a quem admiro
 e sinto orgulho em me considerar sua amiga. 
   Neste momento em que “mulheres emergentes” completa 25 anos, 
 cumprimento e agradeço 
a tânia diniz, que nem nos momentos mais difíceis desistiu do que é para nós, 
poetas e escritoras, motivo de orgulho. 

líria porto - poeta



Editorial - Tânia Diniz 
Ilustração - Jussara Rocha - artista plástica - BH - MG
Teu corpo / textura... - Alice D. Trusz - Porto Alegre - RS 

Quo vadis? - Simão Pessoa - Manaus - AM 

Caco - Eduardo Moretzohn 

Possessão - Ednólia Fontenele - Estância - SE 

Corpo - Hugo  Pontes - Poços de Caldas - MG 

Nosso amor é um mistério... - Leila Míccolis - RJ - RJ 

Queria inda te ver... - Cyana Leahy - Niterói - RJ 

Passional - Jussara Santos -BH _ MG 

1. Fragmentos - Sandra Costa - Rio de Janeiro - RJ 

Visita - Tânia Diniz - BH _ MG 

Dream - Cláudio Daniel - SP - SP 


Quietude - Idalina de Carvalho - Cataguazes - M

Na flor-da-pele ... Caco de Oliveira 

Uma permanência de pedra... - Pablo Neruda (1904-1973) - Parral - Chile 

Verso 9 -  Wilmar Silva -  BH - MG 

Rédeas -  Jurema Barreto - Santo André - SP 

No meu lado noturno... - Diva Cunha - Natal - RN


XIII - o meu medo! ... - Jaime Benassuly - Macaé - RJ 

Não é o cheiro do corpo,... - Marlene dos Santos
  

Editorial

E no sétimo dia Ele descansou.
São sete os dias da semana, os pecados capitais, os chackras, as cores do arco-íris, as notas musicais, os planetas,as hierarquias dos anjos, as esferas celestes, as cordas da lira, as cabeças da naja de Angkor, as pétalas da rosa que significamos sete céus, os galhos da árvore cósmica, as estrelas da Ursa Maior
 (seriam os sete olhos de Deus?).
As cerimônias do culto a Apolo e as festas populares chinesas, acontecem no sétimo dia. Símbolo egípcio da vida eterna, mágico, o número sete tem poder nele mesmo, indica mudança  após um ciclo completado de uma renovação positiva.
Sete anos de Mulheres Emergentes!!!
Já se ouvem as sete trombetas? Ou avistam-se os sete degraus da perfeição?
Nosso ciclo se completa com este ME de aniversário de você, leitor..
                                                                                       a editora